SOBRE O GRUPO PESTANA

O Grupo Pestana, cuja origem remonta a 20 de Novembro de 1972, por ocasião da fundação da M & J Pestana – Sociedade de Turismo da Madeira, desenvolve a sua actividade principalmente no sector do Turismo, tendo ainda interesses na Indústria e nos Serviços.
De empresa eminentemente local ou regional, hoje em dia, o Grupo Pestana é claramente o maior grupo português no sector do Turismo, sendo a sua cadeia hoteleira – Pestana Hotels & Resorts -, com 88 unidades e cerca de 10.000 quartos, a maior cadeia de origem portuguesa.
O Grupo Pestana continua o processo de transversalidade da sua internacionalização, tendo já presenças consolidadas em 14 países (Portugal, Inglaterra, Alemanha, Brasil, Argentina, Venezuela, Moçambique, África do Sul, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, EUA, Cuba, Marrocos, e Espanha).
Em 2010, marcando o início da entrada na Europa, o Grupo abriu a sua primeira unidade em Londres, o Pestana Chelsea Bridge Hotel & Spa. Em Maio de 2011, abriu o Pestana Berlim Tiergarten, na capital alemã.
Entre 2012 e 2013, abriram novos investimentos internacionais, para além dos investimentos em Portugal, em Tróia, na Pousada de Cascais e no Porto Santo: Miami, nos Estados Unidos da América, Bogotá, na Colômbia, Casablanca, em Marrocos e Cayo Coco, em Cuba.

Na área do lazer, o Grupo Pestana possui actualmente além dos 88 hotéis (Madeira, Algarve, Lisboa, Cascais, Sintra e Porto, Brasil, Inglaterra, Alemanha, Espanha, EUA, Cuba, Colômbia, Marrocos, Argentina, Venezuela, Moçambique, África do Sul, Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe), 12 empreendimentos de Vacation Club, 6 campos de golfe, 3 empreendimentos imobiliário/turístico, 2 concessões de jogo para casino, Casino da Madeira e Casino em S. Tomé e Príncipe, participação numa companhia de aviação charter e um operador turístico.

A partir de 2003, o Grupo Pestana assumiu a gestão da rede das Pousadas de Portugal que conta com 36 unidades em território nacional.

O universo destas entidades emprega mais de 7.000 colaboradores.

A ESTRATÉGIA DO GRUPO PESTANA ESTÁ ASSENTE EM TRÊS EIXOS:

1 – Integração Horizontal – depois de ter assegurado uma base sólida no mercado de origem, a Região Autónoma da Madeira, o Grupo Pestana partiu para um crescimento sustentado no seu “Core Business” (hotelaria). Este crescimento deu-se numa primeira fase no território nacional, no Algarve, Cascais, Porto e Sintra e mais tarde pela internacionalização. Esta começou pelos países que têm afinidades com a cultura portuguesa como Moçambique, Brasil e Cabo Verde. Mais tarde ainda o processo prosseguiu, em 2010 com a abertura do Pestana Chelsea Bridge em Londres, o Grupo Pestana deu o seu primeiro passo na Europa, fora de Portugal. Em 2011 abriu o Pestana Berlim.

2 – Integração Vertical – crescimento noutros subsectores da actividade turística, como seja o jogo, o golfe, o imobiliário de lazer, o transporte aéreo através de voos charter, a operação turística no estrangeiro (com especial destaque para o Reino Unido), em Portugal.
A lógica de crescimento neste vector foi por um lado apostar forte a montante, criando canais de comercialização e distribuição que o Grupo dominasse ou onde pudesse ter uma influência significativa de forma a reduzir os níveis de dependência face aos grandes conglomerados da operação turística, e por outro lado, apostar a jusante em áreas da animação turística como forma de aumentar a atractividade dos produtos hoteleiros (“Core Business” do Grupo) podendo apresentar ao mercado produtos completos.

3 – Os Negócios na indústria do Turismo e Lazer são diversificados e adaptados a cada uma das áreas onde se está presente, adaptando-se os negócios às características específicas de cada região, isto é, nunca se prosseguem modelos estandardizados.

O Algarve aposta sobretudo na Hotelaria de Resort, no golfe e na Imobiliária de Lazer; a Madeira além da Hotelaria de Resort desenvolveu sobretudo a comercialização de direitos reais de habitação periódica e a exploração da concessão de uma zona de jogo; em Lisboa e Porto aposta-se, sobretudo, na hotelaria em edifícios de relevante valor histórico, cultural ou arquitectónico; no Brasil a presença é na Hotelaria de Resort no Nordeste e na hotelaria para o mercado “corporate”nos principais centros urbanos; e em Moçambique, África do Sul e São Tomé e Príncipe a aposta é sobretudo na Hotelaria de cariz Africana que se pode reproduzir através do conceito de “Lodge” e, nas Capitais Europeias, um dos novos eixos estratégicos do Grupo, pretende-se ser o melhor hotel de 4 estrelas em cada uma dessas cidades